Como transferir veículo

Comprei um carro usado e optei por fazer a transferência sem um despachante.

Funciona da seguinte maneira:

  1. Fazer a vistoria do veículo (R$ 120,00);
  2. Ter em mãos certificado de Registro de Veículo (CRV) original, devidamente preenchido, sem rasuras, assinado pelo vendedor (antigo proprietário) e pelo comprador do veículo, devendo ser reconhecida por autenticidade as firmas do vendedor e do comprador (R$ 12,00);
  3. Fotocópias legíveis, acompanhadas do original, da identidade e do CPF;
  4. Comprovante de residência (original e cópia), frente e verso, com data de expedição não superior a 90 dias e em nome do comprador.
  5. Pagamento da taxa correspondente, cujos valores serão gerados após a abertura do processo requerido pelo usuário (R$ 140,00);
  6. Procurar serviço para substituir placa ou tarja da placa (R$ 70,00);

Total: R$ 342,00

Atenção: O Detran é sacana e no meu caso a guia de pagamento foi gerada com vencimento para o mesmo dia! Eles também não devolvem o comprovante de pagamento original.

Referência:

http://www.detran.sc.gov.br/index.php/veiculos/transferencia-de-veiculos/121-veiculos-transferencia-de-veiculos/364-veiculos-transferencia-de-veiculos-2

Gerar e enviar PDF no QlikView com PDF Creator

Em um post antigo mostrei como gerar e enviar um PDF do QlikView. Neste caso eu estava usando o PDF Creator 1.7.3. Mencionei que não funcionava na versão 2.

Acontece que o PDF Creator já está na versão 3.2 e decidi investigar porque não funcionava e encontrei uma solução.

Na verdade foi necessário usar o PDF Creator 3.1 porque a versão 3.2 tem um erro e não sobrescreve os arquivos gerados.

Para gerar o PDF usei uma macro relativamente simples:

São necessárias também algumas configurações no PDF Creator. É preciso alterar o perfil padrão para o modo automático e desmarcar a opção ‘Don’t overwrite existing files’. Assim o arquivo gerado irá sobrescrever o atual.

 

 

Sushi

Ainda não tive a oportunidade de ir ao Japão e comer o verdadeiro sushi, por isso tenho me arriscado em prepará-lo. A receita e o modo de preparo são relativamente simples.

Ingredientes:

2 xícaras de arroz de sushi

4 xícaras de de água

3 colheres de sopa de açúcar

2 colheres de sopa de sal

4 colheres de sopa de vinagre de arroz

Nori (folha de alga marinha)

Gergelim torrado.

Salmão, camarão, atum, tilápia, ovos.

Utensílios:

Esteira de bambu, chamada makisu

Modo de preparo:

Lavar bem o arroz algumas vezes. O arroz para sushi é rico em amido, por isso se não o lavarmos bem ele ficará muito ‘grudento’.

Juntar o arroz a água, e deixar cozinhando até a água desaparecer.

Enquanto o arroz cozinha deve ser preparado o molho. Para isso junta-se o açúcar, o sal e o vinagre em uma panela e leva-se tudo ao fogo. É preciso mexer até que a mistura fique homogênea. É preciso tomar cuidado para que o açúcar não caramelize. Depois se despeja a mistura em um copo, mas com cuidado. Um pouco de sal ficará na panela. Deixe o molho esfriar e depois despeje tudo sobre o arroz, já cozido. Misture bem.

Estenda a esteira de bambu e sobre ela um pedaço de nori. Espalhe o arroz, coloque o recheio desejado (salmão, camarão, atum, tilápia) e com a ajuda da esteira enrole o arroz.

Corte em pequenos pedaços. Para facilitar molhe a faca na água antes de executar os cortes.

 

Consumo de Internet no Windows 10

Assim que atualizei os computadores da rede para o Windows 10 comecei a enfrentar problemas com o consumo de banda. Durante longos períodos o consumo era absurdo. Então comecei a investigar e descobri que eu tinha mais que um problema.

O ambiente analisado era o seguinte:

  • Cerca de 30 computadores rodando Windows 10;
  • 2 links de Internet;
  • Windows Server 2012 com Windows Server Update Service (WSUS);
  • pfSense.

Notei que a maioria das máquinas conectavam ao endereço a seguir e efetuavam o download de quantidades absurdas de dados.

http://*.tlu.dl.delivery.mp.microsoft.com/

Pesquisando a respeito cheguei a esse artigo e compreendi que:

  • No Windows 10 1511, 50% dos computadores usaram o Delivery Optimization e 50% usaram o antigo BITS;
  • No Windows 10 1607, 100% dos computadores usaram o Delivery Optimization.

O pfSense/Squid parecem não suportar o HTTP Range Request, conforme recomendação da Microsoft, por isso tentei fazer cache do Windows Updade, configurando o Squid assim:

acl windowsupdate dstdomain windowsupdate.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain .update.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain download.windowsupdate.com
acl windowsupdate dstdomain redir.metaservices.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain images.metaservices.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain c.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain www.download.windowsupdate.com
acl windowsupdate dstdomain wustat.windows.com
acl windowsupdate dstdomain crl.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain sls.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain productactivation.one.microsoft.com
acl windowsupdate dstdomain ntservicepack.microsoft.com

range_offset_limit 6 GB windowsupdate
maximum_object_size 6 GB
quick_abort_min -1

refresh_pattern -i microsoft.com/.*\.(cab|exe|ms[i|u|f]|[ap]sf|wm[v|a]|dat|zip) 4320 80% 43200 reload-into-ims

refresh_pattern -i windowsupdate.com/.*\.(cab|exe|ms[i|u|f]|[ap]sf|wm[v|a]|dat|zip) 4320 80% 43200 reload-into-ims

refresh_pattern -i windows.com/.*\.(cab|exe|ms[i|u|f]|[ap]sf|wm[v|a]|dat|zip) 4320 80% 43200 reload-into-ims

Marquei a opção Cache Dynamic Content em Local Cache no pfSense.

Mesmo usando o WSUS os computadores estavam conectando à Internet para baixar atualizações, porque estas máquinas estavam configuradas para usar o Microsoft Update ao invés do Windows Update. Portanto, o que esses computadores estavam fazendo era baixar atualizações do Windows Store App, que não é suportado pelo WSUS. Tive certeza disso quando monitorei o que estava sendo baixado. Por exemplo, uma atualização do Solitarie Collection (Paciência), tinha 227MB.

Assim, o que realmente resolveu o problema foi desativar a atualização automática dos apps do Windows Store. Fiz isso por GPO:

Policies, Administrative Templates, Windows Components, Store, Turn off Automatic Download and Install of Updates

Depois da GPO aplicada, ao acessar a loja vemos que as atualizações estão desativadas.

Pode ser necessário executar o comando wsreset.exe para que as atualizações em andamento sejam finalizadas.

Portanto, desativar as atualizações automáticas dos apps do Windows Store evita que os computadores da rede se conectem à Internet e efetuem grandes downloads.

Windows Store

Indicadores SMART

Objetivo

Os indicadores SMART são uma ferramenta para definição de objetivos. SMART vem das palavras Specific, Measurable, Attainable, Relevant e Time Bound.

Cada uma das palavras representa uma parte da ferramenta. Vamos ver o que significam cada uma delas.

S – Specifc – Específico

Um indicador deve ser claro e detalhado. Precisa explicar qual seu motivo, quem são os responsáveis, quais os requisitos e quais as relações do indicador. Definir um indicador de maneira genérica pode comprometer os resultados. Por exemplo, ao invés de criar um indicador para ‘aumentar em 10% as vendas’, o ideal é detalha-lo:

Aumentar em 2017 o faturamento em 10%, através de exportações para o Mercosul, da linha de produtos X, mantendo a margem de contribuição atual.

M – Measurable – Mensurável

Nesta etapa devemos verificar se o indicador pode ser avaliado de forma numérica. Se não pode ser medido, não pode ser gerenciado. Assim, um indicador não deve ser ‘aumentar a satisfação do cliente’, mas sim ‘aumentar a satisfação do cliente em 5%’.

A – Attainable – Atingível

Um indicador SMART deve ser atingível, alcançável, realizável, possível. De nada adianta estipular um indicador dizendo que as vendas irão aumentar em 75% se não existir mercado, produto, ou se a equipe não participou da criação do objetivo. Para que haja motivação o indicador precisa ser audacioso, mas racional. Portanto, ao definir um indicador precisamos nos perguntar:

  • Possuímos os recursos necessários para atingi-lo?
  • O cenário político e econômico permite o alcance da meta?
  • Temos os produtos ou soluções suficientes para chegar ao objetivo?

R – Relevant – Relevante

O próximo passo é verificar se o indicador está de acordo com os objetivos da empresa e quais são suas consequências. O indicador deve estar alinhado a estratégia da empresa. Devemos pergunta: o indicador irá contribuir para o atingimento da estratégia da empresa? Se a resposta for não o indicador não terá utilidade. Por isso é necessário que todos conheçam a estratégia da empresa.

T – Time-Bound – Temporizável

Na última fase definimos prazos para a realização do indicador, com início e fim específicos. Um exemplo: Aumentar em 2017, todo o mês, o número de clientes em 5. Assim fica estipulado que no ano de 2017, em cada um dos meses precisamos abrir 5 novos clientes. Se o indicador fosse apenas ‘aumentar o número de clientes’, correríamos o risco de terminar o ano procrastinando e deixando para os últimos meses a execução do objetivo.

Referências:

http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/indicadores-e-metas-smart-saiba-tudo-sobre-o-metodo/100113/

http://papoempresario.blogspot.com.br/2011/11/ferramentas-em-foco-metodologia-smart.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador-chave_de_desempenho

Gerar e enviar PDF no QlikView

Neste post mostro como gerar relatórios em PDF e enviá-los por e-mail usando macros e tarefas agendadas.

Usaremos os seguintes softwares:

QlikView 12;

PDF Creator 1.7.3 (Não funciona com a versão 2) ou Bullzip PDF Printer;

SendEmail – http://caspian.dotconf.net/menu/Software/SendEmail/

Agendador de tarefas do Windows;

Para começar precisamos de um documento do QlikView com um relatório configurado. Cada relatório possui um ID, geralmente no formado RP01, RP02, etc.

A macro a seguir gera um arquivo PDF do relatório passado como parâmetro usando o PDF Creator:

A macro a seguir gera um arquivo PDF do relatório passado como parâmetro usando o Bullzip PDF Printer:

A macro deve estar configurada no Módulo de Segurança Requerido para Acesso ao Sistema e em Segurança Local Atual deve ser Permitir Acesso ao Sistema.

Feito isso deve ser configurado para que depois do reload a macro seja executada e gere o arquivo. Isso é feito nas propriedades do documento, disparadores, depois de recarregar, executar macro, nome da macro. Neste ponto, se o documento for recarregado o arquivo PDF será gerado.

Infelizmente o servidor do QlikView não dispara o gatilho configurado, por isso se houver um carregamento agendado a macro não será executada. Por isso criaremos uma tarefa agendada do Windows para executar o qv.exe. Assim o gatilho é ativado e a macro executada. O comando é simples:

Para enviar o e-mail usei o SendEmail. Também é necessário o uso de uma tarefa agendada:

Desta forma geramos um relatório e o enviamos por e-mail!

Detalhe importante: a impressora PDF precisa estar definida como padrão para que o arquivo seja gerado.

Referências

https://community.qlik.com/thread/13115?_ga=1.189208363.1052269290.1466104046http://www.howtogeek.com/125045/how-to-easily-send-emails-from-the-windows-task-scheduler/https://community.qlik.com/docs/DOC-7325#start=25

Votação do impeachment de Dilma – como os senadores votaram

Por 61 votos a 20 o senado aprovou o impeachment de Dilma. Veja como os senadores votaram:

SIM (a favor do impeachment)

Acir Gurgacz (PDT-RO)
Aécio Neves (PSDB-MG)
Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)
Alvaro Dias (PV-PR)
Ana Amélia (PP-RS)
Antonio Anastasia (PSDB-SP)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Benedito de Lira (PP-AL)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Cidinho Santos (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Dalirio Beber (PSDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Dário Berger (PMDB-SC)
Edison Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Amorim (PSC-CE)
Eduardo Braga (PMDB-AM)
Eduardo Lopes (PRB-RJ)
Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
Fernando Collor (PTC-AL)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
Gladson Cameli (PP-AC)
Hélio José (PMDB-DF)
Ivo Cassol (PP-RO)
Jader Barbalho (PMDB-PA)
João Alberto Souza (PMDB-MA)
José Agripino (DEM-RN)
José Aníbal (PSDB-SP)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Medeiros (PSD-MT)
Lasier Martins (PDT-RS)
Lúcia Vânia (PSB-GO)
Magno Malta (PR-ES)
Marta Suplicy (PMDB-SP)
Omar Aziz (PSD-AM)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Pedro Chaves (PSC-MS)
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Reguffe (sem partido-DF)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Ricardo Franco (DEM-SE)
Roberto Rocha (PSB-MA)
Romário (PSB-RJ)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Rose de Freitas (PMDB-ES)
Sérgio Petecão (PSD-AC)
Simone Tebet (PMDB-MS)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Telmário Mota (PDT-RR)
Valdir Raupp (PMDB-RO)
Vicentinho Alves (PR-TO)
Waldemir Moka (PMDB-MS)
Wellington Fagundes (PR-MT)
Wilder Morais (PP-GO)
Zezé Perrella (PTB-MG)

NÃO (contra o impeachment)

Angela Portela (PT-RR)
Armando Monteiro (PTB-PE)
Elmano Férrer (PTB-PI)
Fátima Bezerra (PT-RN)
Gleisi Hoffmann (PT-RR)
Humberto Costa (PT-PE)
João Capiberibe (PSB-AP)
Jorge Viana (PT-AC)
José Pimentel (PT-CE)
Kátia Abreu (PMDB-TO)
Lídice da Mata (PSB-BA)
Lindbergh Farias (PT-RJ)
Otto Alencar (PSD-BA)
Paulo Paim (PT-RS)
Paulo Rocha (PT-PA)
Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
Regina Sousa (PT-PI)
Roberto Muniz (PP-BA)
Roberto Requião (PMDB-PR)
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)

Na segunda votação, dezesseis senadores que se posicionaram a favor do afastamento definitivo de Dilma na primeira votação rejeitaram que ela ficasse impedida de concorrer a cargos eletivos e ocupar funções na administração pública. São eles:

Acir Gurgacz (PDT-RO)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Cidinho Santos (PR-MT)
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Edison Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Braga (PMDB-AM)
Hélio José (PMDB-DF)
Jader Barbalho (PMDB-PA)
João Alberto Souza (PMDB-MA)
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Roberto Rocha (PSB-MA)
Rose de Freitas (PMDB-ES)
Telmário Mota (PDT-RR)
Vicentinho Alves (PR-TO)
Wellington Fagundes (PR-MT)

Três senadores que votaram “sim” pelo afastamento definitivo se abstiveram na segunda votação:

Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Valdir Raupp (PMDB-RO)

Como ver a ISS – Estação Espacial Internacional – a olho nu

ISS

A Estação Espacial Internacional – ISS – é um laboratório espacial que se encontra-se em órbita baixa (entre 340 km e 353 km). Pode  ser vista da Terra a olho nu e viaja a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia.

Para saber quando a ISS estará visível, uso um app para Android chamado ISS Detector. Ele está disponível no Google Play. Seu site oficial é: http://issdetector.com/. O app avisa quando a ISS estará visível e mostra sua trajetória:

ISS Detector

ISS Detector

Nos testes que fiz a precisão foi fantástica. A noite o brilho da ISS parece o de uma estrela e é muito fácil acompanhá-la no céu.

Além disso a NASA disponibiliza um serviço para que seja possível ver a ISS em tempo real, a partir de uma câmera instalada nela mesma:

http://www.ustream.tv/channel/9408562

Bom divertimento!

Wargame – Leviathan – Level 6

De posse da senha do usuário leviathan6 fazemos o login no servidor leviathan.labs.overthewire.org e procuramos por arquivos:

Vamos testar o executável leviathan6:

Informando um código de 4 dígitos:

Depurando:

O que será que a função atoi faz? Pesquisando: http://linux.die.net/man/3/atoi

atoi converte uma string em um inteiro.

Como não consegui resolver sozinho o problema, pesquisei e encontrei duas formas de passar esse nível: força bruta ou usar um depurador. Como a ideia é aprender, vamos pelo caminho mais complicado.

Para isso vamos usar o depurador gdb:

Iremos transformar o código em assembler:

O que nos importa é a seguinte linha:

Nela o programa faz uma comparação dos registradores esp e eax. Vamos colocar um breakpoint no programa bem na hora da comparação:

E então executamos o programa passando como código 0000:

Agora vamos ver o que temos no registrado esp:

Pronto, o código que é comparado ao código informado será exibido. Depois é só executar o programa com o código correto.

Referências

http://cplusperks.com/leviathan/#level6

http://www.unknownroad.com/rtfm/gdbtut/gdbtoc.html

Wargame – Leviathan – Level 5

De posse da senha do usuário leviathan5 fazemos o login no servidor leviathan.labs.overthewire.org e procuramos por arquivos:

Vamos ver o que o arquivo leviathan5 faz:

Parece que ele procura por um arquivo em /tmp/file.log. Neste caso pensei em criar um link simbólico para o arquivo da senha, assim:

Depois executamos o programa de novo:

Pronto, temos a senha do leviathan6!